Considerado um alimento funcional, o tomate desempenha um papel importante na prevenção e tratamento de doenças. Além de vitaminas e minerais, o tomate é rico em licopeno, um potente antioxidante que atua como protetor das células contra os efeitos dos radicais livres. A concentração do licopeno é importante porque impede que células anormais se multipliquem.

Estudos demonstraram que o tomate pode reduzir o risco de algumas doenças, como o câncer . “Vários estudos vêm demonstrando que o consumo do tomate, e seus produtos, estão associados a menor incidência, não só do câncer de próstata, como também no câncer de mama nas mulheres”, explica a nutricionista Vanessa Maggitti, especialista em nutrição clínica.

Além do licopeno, o tomate também é rico em vitamina C e potássio que, juntos, favorecem o transporte do oxigênio no sangue, trazendo importantes benefícios para a saúde cardiovascular. “O licopeno e a vitamina C auxiliam na prevenção de doenças do coração, controlando também os níveis de colesterol. E o potássio ajuda a regular a pressão arterial, contribuindo mais ainda na saúde do coração”, informa a nutricionista.

 

Os benefícios do tomate:

• Retarda, auxilia e ajuda a prevenir doenças do sistema cardiovascular

• Melhora a saúde dos olhos

• Atua como um fator de proteção da pele contra os raios UV

• Fortalece e dá brilho aos cabelos

• Controla a pressão arterial

• Fortalece o sistema imunológico

• Preveni o câncer de próstata

 

Protege as gestantes – o tomate é rico em cromo, um mineral que reduz a resistência à insulina, favorecendo o controle do diabetes gestacional. Ele facilita a ação da insulina, permitindo que a glicose entre nas células com maior facilidade.  Por isso, a nutricionista recomenda que o tomate não apenas pode, mas  deve ser consumido durante toda a gravidez, respeitando claro, a presença de algum sintoma relacionado ao seu consumo, uma vez que o tomate é um fruto muito ácido, e o consumo em excesso pode provocar azia, dores no estômago e flatulência, que já são sintomas comuns durante a gestação.

Ajuda no combate à constipação por se tratar de um alimento rico em fibras e água, o que favorece o funcionamento do trânsito intestinal. Porém, a nutricionista alerta que nenhuma hortaliça, sozinha, representa uma solução para esses transtornos. “Vale lembrar que a alimentação precisa ser diversificada para que todos os nutrientes necessários assegurem um bom funcionamento do organismo”, reforça.

 

Consumo ideal

Como a concentração do licopeno no tomate depende do clima, da estação do ano, da variedade do tomate, do local do plantio, da colheita e do armazenamento, a nutricionista alerta que quanto mais vermelho e maduro for o tomate, melhor. Como nosso organismo não é capaz de sintetizar o licopeno, precisamos obtê-lo através da alimentação. A quantidade sugerida como fator de proteção é de 4 a 35mg/dia, o que equivale a uma unidade de tomate cru.

Mas a melhor maneira de aproveitar esse nutriente no tomate, de acordo com a nutricionista, é consumir cozido ou na forma de molho, para aumentar a concentração. “Dessa forma, esse potente antioxidante fica mais biodisponível, de 2 a 3 vezes”, orienta a nutricionista.

O tomate é um alimento bem aproveitado em receitas e dá para consumir de várias formas: in natura, seco, em saladas, ketchup, sopa de tomate, adicionado no sanduíche e omelete, assado com recheio de carne ou frango, assado no forno com especiarias (alecrim, orégano, tomilho), vinagretes ou até mesmo suco de tomate. Por ser um alimento pouco calórico (100g = 20 calorias) dá para comer até dois tomates por dia.

Dica: evite triturar o tomate, pois quando bate demais, as substâncias são quebradas e o valor nutricional é reduzido. E consumir com um bom azeite de oliva faz muita diferença. “Como o licopeno é lipossolúvel, fica mais bem absorvido na presença de uma fonte de gordura”, explica a nutricionista.

 

 

Fontes: https://revistaabm.com.br/artigos/conheca-o-poder-do-tomate-na-prevencao-de-doencas

O que achou?

comentários

Share This