RIO GRANDE DO SUL PEDE SOCORRO doe Pix doacoes@diocesedecaxias.org.br

 

Cheia do Rio Taquari no Rio Grande do Sul — Foto: Diego Vara/Reuters

Cheia do Rio Taquari no Rio Grande do Sul — Foto: Diego Vara/Reuters

Apelo de Frei Jaime Bettega

Apresentação

Frade Capuchinho sacerdote – Gestor de projetos sociais, comunicador apresentador de Rádio escritor, professor. Acredito num mundo de Paz e de Bem!

 

Temporal no RS: Prefeitura de Caxias do Sul emite alerta sobre risco de rompimento da Represa Dal Bó

A barragem existe há mais de 90 anos e, segundo o Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto de Caxias do Sul, nunca tinha chegado a esse nível. A estimativa é que só faltam 20 centímetros para transbordar.

Durante a madrugada, sirenes e representantes do governo com megafones alertaram quem vive em locais que podem ser atingidos. Essas áreas, a princípio, incluem três bairros de Caxias do Sul. Cerca de 30 famílias já saíram de casa às pressas.

Um gabinete de crise do governo municipal, com auxílio do Exército, foi criado para decidir as próximas ações. Algumas pessoas já estão abrigadas em casas de parentes ou em locais disponibilizados pela assistência social.

Calamidade pública

 

O Rio Grande do Sul decretou estado de calamidade pública nesta quarta-feira (1º) pelos “eventos climáticos de chuvas intensas”. A decisão foi publicada em edição extra do Diário Oficial do Estado.

Os temporais que atingem o Rio Grande do Sul desde segunda-feira (29) já causaram 24 mortes – números somados pela Defesa Civil e pela Brigada Militar. Além disso, deixaram 21 desaparecidos e tiraram mais de 14,5 mil pessoas de casa. No total, 147 cidades sofreram algum tipo de prejuízo.

O decreto destaca que o Rio Grande do Sul é atingido por chuvas intensas, alagamentos, granizo, inundações, enxurradas e vendavais de grande intensidade, sendo classificados como desastres de Nível III — caracterizados por danos e prejuízos elevados.

Com a entrada em vigor, fica decretado que órgãos e entidades da administração pública estadual prestarão apoio à população nas áreas afetadas. Da mesma forma, poderá ser encaminhada solicitação semelhante por municípios, que serão avaliadas e homologadas pelo estado.

O Decreto deve vigorar por 180 dias de acordo com o governo do Rio Grande do Sul.

No Rio Grande do Sul, 332 cidades já relataram danos diante das fortes chuvas que atingem o Estado, que sofre sua pior catástrofe climática, com 66 mortes confirmadas e outras seis em investigação, sobre as quais o governo diz que apura se estão relacionadas ao evento meteorológico, além de 101 desaparecidos. Os municípios seguem em alerta em razão de mais danos, assim como necessidade de orientação para que a população deixe áreas consideradas de risco.

 

Vista aérea da Orla do Rio Guaiba, em Porto Alegre (RS), completamente coberta de água após o transbordamento do rio, neste sábado, 4 de maio de 2024. — Foto: MAX PEIXOTO/DIA ESPORTIVO/ESTADÃO CONTEÚDO

Vista aérea da Orla do Rio Guaiba, em Porto Alegre (RS), completamente coberta de água após o transbordamento do rio, neste sábado, 4 de maio de 2024. — Foto: MAX PEIXOTO/DIA ESPORTIVO/ESTADÃO CONTEÚDO

Em Porto Alegre, a elevação do nível do Guaíba fez com que as ruas do centro, além da rodoviária, fossem alagadas. A capital gaúcha tem áreas de blecaute e dezenas de bairros com problemas no abastecimento de água e o Aeroporto Salgado Filho suspendeu as operações. A enchente na cidade é pior do que o recorde histórico de 1941.

Neste momento o Sul precisa da sua ajuda da nossa ajuda envie um pix para doacoes@diocesedecaxias.org.br

 

Cidade de Encantado (RS) antes e depois de ser tomada pela água
Foto: Prefeitura de Encantado/REUTERS-Diego Vara

Cidade de Encantado (RS) antes e depois de ser tomada pela água

O que achou?

comentários

Share This