BREAKING NEWS

Juíza mantém nomeação de missionário

A juíza federal Ivani Silva da Luz, da 6ª Vara do Distrito Federal, decidiu manter do antropólogo e missionário Ricardo Lopes Dias para a Coordenação-Geral de Índios Isolados e Recém Contatados da Fundação Nacional do Índio

Ministros do STF são avisados que são alvos de possíveis ataques terroristas

Ministros do STF são avisados que são alvos de possíveis ataques terroristas O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, encaminhou aos demais da corte um ofício sigiloso informando que uma célula terrorista pode estar preparando "agressões...

“Quem é Bernie Sanders o socialista que pretende derrotar Trump

"O senador Bernie Sanders, pré-candidato à presidência dos EUA pelo Partido Democrata, em comício em New Hampshire, Bernie Sanders, senador independente dos EUA que perdeu para Hillary Clinton nas primárias democratas de 2016, espera dessa vez ser o escolhido do...

Coronavírus Na China passa de 1,7 mil mortos.

Somente na província de Hubei, epicentro do coronavírus na China, foram registradas mais 100 mortes e 1.933 casos confirmados da doença entre este sábado

44 americanos a bordo de cruzeiro estão com coronavírus

Autoridades dos Estados Unidos informaram neste domingo que 44 americanos a bordo do cruzeiro em quarentena no Japão estão infectados com o novo coronavírus  diretor do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, disse  que os americanos infectados serão tratados no...

Falta de combustível para navios no Porto de Santos já causa atrasos

O volume de combustível está sendo fornecido pela metade aos navios no Porto de Santos, o que exige que as embarcações se dirijam a outros portos para completar o abastecimento, de acordo com o Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado de São Paulo

PRF faz na Grande BH a maior apreensão de armas e munição em Minas Gerais

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que realizou na Grande BH, neste domingo , a maior apreensão de armas e munição já feita em Minas Gerais até o momento. Os policiais encontraram 13 pistolas, 5 revólveres calibre 38, 6 espingardas calibre 12, 12 rifles...

Idoso atolado até a boca em lamaçal é resgatado por moradores, em Pinhais

Um idoso, de 76 anos, foi resgatado por moradores de um lamaçal em uma área de mata em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, neste domingo (16). Ele estava atolado até a altura da boca, segundo os homens que fizeram o resgate

Ia dar um tiro na cara dele

BRASÍLIA – O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot revelou que planejou assassinar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes , em 2017. O episódio foi lembrado pelo próprio Janot em entrevistas publicadas nesta quinta-feira pelos jornais “O Estado de S. Paulo”, “Folha de S.Paulo” e pela revista “Veja”

Segundo relato à “Veja”, Janot chegou a engatilhar a arma, ficou a menos de dois metros do ministro, mas não conseguiu efetuar o disparo. O motivo da ira foi um ataque de Gilmar à filha do então procurador-geral. “Esse inspetor Javert da humanidade resolveu equilibrar o jogo envolvendo a minha filha indevidamente. Tudo na vida tem limite. Naquele dia, cheguei ao meu limite. Fui armado para o Supremo. Ia dar um tiro na cara dele e depois me suicidaria. Estava movido pela ira. Não havia escrito carta de despedida, não conseguia pensar em mais nada. Também não disse a ninguém o que eu pretendia fazer”, conta o ex-PGR.

Janot também afirmou que tentou mudar a arma de mão quando não conseguiu atirar com a destra. “Esse ministro costuma chegar atrasado às sessões. Quando cheguei à antessala do plenário, para minha surpresa, ele já estava lá. Não pensei duas vezes. Tirei a minha pistola da cintura, engatilhei, mantive-a encostada à perna e fui para cima dele. Mas algo estranho aconteceu. Quando procurei o gatilho, meu dedo indicador ficou paralisado. Eu sou destro. Mudei de mão. Tentei posicionar a pistola na mão esquerda, mas meu dedo paralisou de novo. Nesse momento, eu estava a menos de dois metros dele. Não erro um tiro nessa distância. Pensei: ‘Isso é um sinal’. Acho que ele nem percebeu que esteve perto da morte”, lembra.

O procurador disse que, depois de ter falhado no propósito de executar seu adversário, chamou seu secretário executivo, disse que não estava passando bem e foi embora. “Não sei o que aconteceria se tivesse matado esse porta-voz da iniquidade. Apenas sei que, na sequência, me mataria”, conclui.

Sem citar o nome do ministro, a cena também é relatada no livro “Nada menos que tudo”, escrito pelos jornalistas Jailton de Carvalho e Guilherme Evelin. A obra será lançada pela Editora Planeta.

Gilmar é um ferrenho crítico da Lava-Jato. Em sessões do STF, costumava aproveitar seus votos para atacar também Janot. Diversas vezes já chamou o procurador de bêbado e de irresponsável.

Janot já apresentou ações ao STF alegando a suspeição de Gilmar para atuar em processos. Em maio de 2017, o procurador pediu o impedimento de Gilmar na análise de um habeas corpus de Eike Batista, com o argumento de que a mulher do ministro, Guiomar Mendes, atuava no escritório Sérgio Bermudes, que advogava para o empresário.

Ao se defender em ofício, Gilmar afirmou que Letícia Ladeira Monteiro de Barros, filha de Janot, advogava para a empreiteira OAS em processo no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Segundo o ministro, a filha do procurador poderia na época “ser credora por honorários advocatícios de pessoas jurídicas envolvidas na Lava Jato”. O episódio provocou a raiva de Janot. “Aí eu saí do sério”,

À revista Veja, Janot também afirmou que suspeita que o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, hoje preso, mandou invadir sua casa, em 2015. Na ocasião, apenas um controle remoto do portão teria sido levado. “Era um recado, uma ameaça. Pelo cheiro, suspeito que foi obra do Eduardo Cunha. Não há evidência. É pelo cheiro mesmo”, declarou.

Janot afirmou ainda que o ex-presidente Michel Temer e o ex-deputado Henrique Eduardo Alves pediram, em 2016, antes do impeachment de Dilma Rousseff, que o então procurador-geral parasse qualquer investigação contra Cunha, que, na época, presidia a Câmara: “Eles queriam que eu praticasse um crime, o de prevaricação. Falei alguns palavrões indizíveis antes de ir embora. A reunião foi testemunhada pelo Zé Eduardo (José Eduardo Cardozo, então ministro da Justiça)”.

O que achou?

comentários

Anterior

Próxima

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This
News Ia dar um tiro na cara dele