Como Colômbia produz mais cocaína apesar de redução da área de cultivo

Embora ilegal, a cocaína na Colômbia parece atualmente um negócio estabelecido: muitos trabalhadores recebem um bônus em dezembro, há investidores que pagam adiantado e os preços não oscilam muito.

Já se foi o tempo dos monopólios de Pablo Escobar ou das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). Hoje, ao contrário, existe uma multiplicidade de atores especializados em cada etapa da cadeia produtiva. O mercado se regula e há competição.

O que não mudou é que a indústria da cocaína segue sendo um dos principais inimigos do governo colombiano, agora sob o comando do presidente Iván Duque. O político de centro-direita fortaleceu a aliança com os Estados Unidos, que só na Colômbia gastou mais de US$ 11 bilhões no combate às drogas.

O governo Duque conseguiu que, de acordo com algumas estimativas, o cultivo da folha de coca fosse reduzido por três anos seguidos.

Mas isso não impediu que a produção de cocaína aumentasse. Na verdade, nunca na história da Colômbia, por décadas o maior exportador do mundo, tanta cocaína foi produzida de forma tão eficiente e com menos violência.

E para Daniel Rico, economista especialista em narcotráfico, isso não é um paradoxo: “A coca hoje tem mão de obra qualificada, e quando há melhorias na produção é porque há estabilidade estrutural na dinâmica do mercado, ou seja, do plantio, da produção e da distribuição”.

Em junho, foi apresentado o relatório anual da Organização das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc), que se baseia em dados oficiais.

O relatório indicou que em 2020 as safras de folha de coca foram reduzidas em 7%; em 2019, caíram 9%; e em 2018, 2,1%.

“As reduções dos últimos dois anos foram as maiores em praticamente 6 ou 7 anos”, disse Duque na apresentação do relatório, celebrando uma de suas apostas mais importantes: a erradicação voluntária ou forçada de lavouras de coca.

Além disso, o governo atingiu um número recorde de apreensões de coca e cocaína.

E neste ano o governo vai adotar uma nova estratégia: a pulverização aérea com glifosato, que havia sido suspensa em 2015 em parte devido aos seus efeitos na saúde da população local.

O relatório da Unodc, porém, produziu dados que, segundo alguns especialistas, mostram mais fracassos do que sucessos na estratégia do Estado para acabar com o narcotráfico.

Isso porque com menos coca se produz mais cocaína do que antes: para cada tonelada de folha de coca, extraem-se hoje 2,14 quilos de pasta base de cocaína. Em 2016, compara o relatório, eram extraídos 1,87 quilo.

Não é só uma questão de eficiência, mas de quantidade: a Unodc estima que foram produzidas 1.010 toneladas de cocaína pura em 2020, o que ante as 936 toneladas de 2019 dá um aumento de 8%.

Duque reconheceu esse aumento da produção: “Os criminosos do narcotráfico sempre buscaram a profissionalização e vêm adaptando muitas de suas práticas para tentar aumentar a produtividade”, disse ele em junho passado.

“Eles concentram seus centros de produção em reservas e parques naturais (…), onde sabem que as autoridades ficam mais tempo sem agir.”

O presidente garantiu que, embora a Colômbia mantenha seu esforço para chegar aos laboratórios em áreas remotas, “é importante que os países consumidores também façam seu trabalho e que nessa corresponsabilidade assumam uma maior capacidade pedagógica e policial para enfrentar este fenômeno”.

FONTE BBC

O que achou?

comentários

Anterior

Próxima

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Share This
NewsComo Colômbia produz mais cocaína apesar de redução da área de cultivo