Cúpula de Biden é marcada por Bolsonaro coadjuvante e crises com Rússia e China

Planejada como um encerramento apoteótico do primeiro ano de Joe Biden à frente da Casa Branca e como o símbolo do retorno dos Estados Unidos ao posto máximo de liderança global, a Cúpula da Democracia promovida pelo presidente democrata essa semana tem sido eclipsada por múltiplas crises geopolíticas simultâneas.

O encontro, para o qual foram convidados 110 líderes mundiais, serviria para Biden galvanizar aliados em torno de si, em uma mostra do significado prático do lema do governo democrata: “America is Back”, ou os “EUA estão de volta”, em substituição ao “América First” (América primeiro”), de Donald Trump.

“Só que deu tudo errado. Biden tem uma visão binária de política externa e tentou polarizar democracias e autocracias. Mas, por um lado, nem os próprios americanos estão dispostos a defender a democracia como antes — inclusive com parte dos conservadores, como o comentarista da Fox Tucker Carlson, defendendo os interesses dos russos e atacando as eleições domésticas. Por outro, os aliados internacionais, como a Alemanha, demonstraram pouca disposição de se alinhar completamente aos americanos contra a China, por exemplo. Era um fiasco anunciado”, afirmou Mathias Alencastro, pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento e professor de relações internacionais na UFABC.

O que achou?

comentários

Anterior

Próxima

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Share This
NewsCúpula de Biden é marcada por Bolsonaro coadjuvante e crises com Rússia e China