div.et_pb_section.et_pb_section_0_tb_header{background-image:radial-gradient(circle at center,#2b87da 0%,#29c4a9 100%)!important}.et_pb_section_0_tb_header.et_pb_section{padding-top:0px;padding-bottom:0px;background-color:#2dba9e!important}.et_pb_row_0_tb_header.et_pb_row{padding-top:5px!important;padding-bottom:5px!important;padding-top:5px;padding-bottom:5px}.et_pb_row_1_tb_header,body #page-container .et-db #et-boc .et-l .et_pb_row_1_tb_header.et_pb_row,body.et_pb_pagebuilder_layout.single #page-container #et-boc .et-l .et_pb_row_1_tb_header.et_pb_row,body.et_pb_pagebuilder_layout.single.et_full_width_page #page-container #et-boc .et-l .et_pb_row_1_tb_header.et_pb_row,.et_pb_row_0_tb_header,body #page-container .et-db #et-boc .et-l .et_pb_row_0_tb_header.et_pb_row,body.et_pb_pagebuilder_layout.single #page-container #et-boc .et-l .et_pb_row_0_tb_header.et_pb_row,body.et_pb_pagebuilder_layout.single.et_full_width_page #page-container #et-boc .et-l .et_pb_row_0_tb_header.et_pb_row{width:90%;max-width:90%}.et_pb_row_0_tb_header{align-items:center}.et_pb_text_0_tb_header.et_pb_text{color:#000000!important}.et_pb_text_0_tb_header{font-family:'Montserrat',Helvetica,Arial,Lucida,sans-serif;font-weight:700;font-size:16px}.et_pb_post_slider_0_tb_header.et_pb_slider .et_pb_slide_description .et_pb_slide_title,.et_pb_post_slider_0_tb_header.et_pb_slider .et_pb_slide_description .et_pb_slide_title a{font-weight:600;font-size:14px!important;text-align:left}.et_pb_post_slider_0_tb_header.et_pb_slider,.et_pb_post_slider_0_tb_header.et_pb_slider.et_pb_bg_layout_dark{background-color:rgba(0,0,0,0)}.et_pb_post_slider_0_tb_header .et_pb_slide_description,.et_pb_slider_fullwidth_off.et_pb_post_slider_0_tb_header .et_pb_slide_description{padding-top:0px;padding-right:0px;padding-bottom:0px;padding-left:0px}.et_pb_post_slider_0_tb_header{margin-left:-100px!important}.et_pb_post_slider_0_tb_header.et_pb_slider,.et_pb_post_slider_0_tb_header.et_pb_slider .et_pb_slide_description .et_pb_slide_title,.et_pb_post_slider_0_tb_header.et_pb_slider .et_pb_slide_content .post-meta{text-shadow:none;float:left}ul.et_pb_social_media_follow_0_tb_header{margin-top:5px!important}.et_pb_section_1_tb_header.et_pb_section{padding-top:0px;padding-bottom:0px}.et_pb_menu_0_tb_header.et_pb_menu ul li a{font-family:'Montserrat',Helvetica,Arial,Lucida,sans-serif;font-weight:700;text-transform:uppercase;color:#000000!important;transition:color 300ms ease 0ms}.et_pb_menu_0_tb_header.et_pb_menu ul li:hover>a{color:#2dba9e!important}.et_pb_menu_0_tb_header.et_pb_menu{background-color:#ffffff}.et_pb_menu_0_tb_header.et_pb_menu .nav li ul,.et_pb_menu_0_tb_header.et_pb_menu .et_mobile_menu,.et_pb_menu_0_tb_header.et_pb_menu .et_mobile_menu ul{background-color:#ffffff!important}.et_pb_menu_0_tb_header.et_pb_menu nav>ul>li>a:hover{opacity:1}.et_pb_menu_0_tb_header .et_pb_menu_inner_container>.et_pb_menu__logo-wrap .et_pb_menu__logo,.et_pb_menu_0_tb_header .et_pb_menu__logo-slot{width:auto;max-width:56%}.et_pb_menu_0_tb_header .et_pb_menu_inner_container>.et_pb_menu__logo-wrap .et_pb_menu__logo img,.et_pb_menu_0_tb_header .et_pb_menu__logo-slot .et_pb_menu__logo-wrap img{height:auto;max-height:none}.et_pb_menu_0_tb_header .mobile_nav .mobile_menu_bar:before,.et_pb_menu_0_tb_header .et_pb_menu__icon.et_pb_menu__search-button,.et_pb_menu_0_tb_header .et_pb_menu__icon.et_pb_menu__close-search-button,.et_pb_menu_0_tb_header .et_pb_menu__icon.et_pb_menu__cart-button{color:#2dba9e}@media only screen and (max-width:980px){.et_pb_post_slider_0_tb_header{margin-left:-40px!important}}@media only screen and (max-width:767px){.et_pb_post_slider_0_tb_header{margin-left:-25px!important}}.et_pb_section_0_tb_footer.et_pb_section{background-color:#ffffff!important}.et_pb_row_0_tb_footer,body #page-container .et-db #et-boc .et-l .et_pb_row_0_tb_footer.et_pb_row,body.et_pb_pagebuilder_layout.single #page-container #et-boc .et-l .et_pb_row_0_tb_footer.et_pb_row,body.et_pb_pagebuilder_layout.single.et_full_width_page #page-container #et-boc .et-l .et_pb_row_0_tb_footer.et_pb_row{width:90%;max-width:90%}div.et_pb_section.et_pb_section_1_tb_footer{background-image:radial-gradient(circle at center,#2b87da 0%,#29c4a9 100%)!important}.et_pb_section_1_tb_footer.et_pb_section{padding-top:0px;padding-bottom:0px;background-color:#376FB5!important}.et_pb_text_0_tb_footer.et_pb_text{color:#FFFFFF!important}.et_pb_text_0_tb_footer{font-family:'Montserrat',Helvetica,Arial,Lucida,sans-serif}.et_pb_text_0_tb_footer.et_pb_text a{color:#2DBA9E!important}

Como a ganância por lucros levou a escassez de leite e remédios no Líbano

Beirute/Akkar, Líbano – Ammouneh Haydar está sentada em uma cadeira de plástico no apartamento escassamente mobiliado que ela não sai há um mês. À medida que o sol se põe, uma única lâmpada fluorescente lança seu brilho fraco pela sala. Em poucos minutos, uma queda de energia de 22 horas reduzirá o local à escuridão.

Haydar, 32, vai se confinar em sua pequena casa na vila de Tleil, perto da fronteira com a Síria, por mais dez dias. Seu marido, Ibrahim Urfali, foi morto em uma explosão de um tanque de combustível em meados de agosto, e ela segue uma tradição de luto comum para viúvas enlutadas em algumas comunidades muçulmanas conservadoras no Líbano, abstendo-se de contato com homens por 40 dias.

Lágrimas escorrem por suas bochechas durante um momento de reflexão silenciosa. Seu filho de seis anos, o segundo filho do casal, puxa o rosto de Haydar para o dele e o cobre de beijos, aparentemente desesperado para aliviar a agonia de sua mãe.

Ela força um pequeno sorriso.

A tragédia de Haydar é emblemática da crise de seu país.

Como a grande maioria da população libanesa, suas perdas materiais se multiplicaram a uma velocidade vertiginosa desde que o desastre financeiro do país começou há dois anos. Os ganhos já modestos da família foram reduzidos a quase nada. A escassez desenfreada a privou da capacidade de alimentar adequadamente seus quatro filhos.

Ammouneh Haydar mostra um recipiente quase vazio de fórmula infantil. Em meio à crise econômica do Líbano, ela luta para alimentar adequadamente seus quatro filhos desde que seu marido morreu na explosão de um tanque de combustível.

Mesmo enquanto as emissoras de televisão locais exibiam imagens de grandes quantidades de fórmula infantil estocada no final de agosto, Haydar diz que não conseguiu encontrar nenhuma para comprar para seu filho de sete meses. Ela diz que recorreu a alimentá-lo com água quente misturada com açúcar.

A crise financeira do Líbano foi alimentada pela ganância de uma elite comercial, e são pessoas comuns como Haydar que estão pagando um preço alto – no caso de seu marido, o preço final – por isso.

Efeitos colaterais mortais da acumulação

A depressão econômica do país foi impulsionada por um rápido esgotamento das finanças públicas, exacerbado pelo que o Banco Mundial diz ter sido uma má gestão “deliberada” da crise por parte da elite dominante. Mas o acúmulo de bens essenciais também causou um golpe devastador na economia.

O primeiro-ministro do Líbano, Najib Mikati, disse no mês passado que comerciantes e “pessoas corruptas” retiveram 74% dos bens subsidiados do país – combustível, remédios, alimentos e fórmulas infantis – do público no ano passado. Isso representa cerca de US$ 7,4 bilhões dos US$ 10 bilhões que Mikati diz que o estado gastou em subsídios em um ano.

//

 

Enfermeiras conversam no corredor escuro do Hospital Al Hamshari durante uma queda de energia.

Dados de importação, declarações do Banco Central e dezenas de entrevistas com farmacêuticos, médicos, pacientes e trabalhadores humanitários realizados pela CNN apontam para um aumento de alguns bens subsidiados que chegam ao Líbano no primeiro semestre de 2021, quando muitos pais estavam lutando para alimentar seus bebês , os pacientes com câncer não tinham medicamentos que salvam vidas e o esgotamento do diesel fez com que centenas de empresas fechassem temporariamente.

A explosão do tanque de combustível que custou a vida do marido de Haydar destaca o impacto potencialmente devastador do acúmulo.

Em 14 de agosto, militares libaneses apreenderam um caminhão-tanque cheio de combustível de um contrabandista em Tleil, a 110 km de Beirute.

Nas primeiras horas do dia seguinte, as tropas tentaram distribuir o diesel para dezenas de homens locais desesperados para abastecer os geradores que abastecem as casas de suas famílias. Ibrahim Urfali estava lutando por uma parte quando o tanque explodiu, matando pelo menos 31 pessoas e deixando mais de 79 feridos.

Sua esposa disse que Urfali sofreu queimaduras em mais de 95% de seu corpo.

Ele e os outros gravemente feridos na explosão foram levados para hospitais próximos para tratamento. Alguns dos medicamentos de que precisavam estavam faltando, e sua ausência foi atribuída à queda financeira do Líbano.

Vários dos feridos foram levados para o exterior para tratamento, outro sinal de quão longe as fortunas do Líbano – por décadas a capital médica do Oriente Médio – caíram.

Mohamad Hawik, 15, está deitado em uma cama no Hospital Al Salam, em Trípoli, em setembro. Ele foi ferido na explosão do tanque de combustível e perdeu três de seus irmãos.

Após tentativas malsucedidas de levá-lo ao exterior, Urfali morreu.

Dias depois de sucumbir às queimaduras, o Ministério da Saúde do Líbano revelou que mais de 6.800 ampolas de um dos medicamentos desaparecidos – albumina – foram encontrados em um armazém de Beirute cheio de medicamentos acumulados.

A albumina é uma droga normalmente usada para tratar queimaduras graves e ressuscitar fluidos perdidos, o que os médicos da CNN disseram ser essencial para reduzir as taxas de morbidade.

A descoberta do estoque de albumina, em um bairro rico de Beirute, ocorreu durante as batidas do Ministério da Saúde em mais de 10 unidades de armazenamento – que o ministério disse que pertenciam principalmente a importadores e farmacêuticos – nas quais enormes quantidades de medicamentos acumulados e fórmulas infantis foram escondidas. .

“Encontramos todos os tipos de remédios e fórmulas para bebês que estávamos procurando”, disse à CNN um funcionário do Ministério da Saúde que participou das batidas nos armazéns e pediu para não ser identificado.

O medicamento e a fórmula apreendidos nas batidas já foram distribuídos a hospitais e outros necessitados, disse o Ministério da Saúde.

O Ministério da Saúde diz que vários donos de armazéns que acumulavam medicamentos foram presos e que as evidências reunidas nas batidas foram encaminhadas ao judiciário libanês.

Os ataques parecem ter parado desde que um novo governo foi formado no início de setembro. O novo ministro da Saúde do país, Firass Abiad, não respondeu aos repetidos pedidos de comentários da CNN sobre o motivo disso.

Subsídios e contrabando

Em 2020, em meio a uma crise financeira cada vez mais profunda, o governo libanês começou a subsidiar bens essenciais em resposta à hiperinflação e ao aumento do desemprego. Com a maioria das mercadorias importadas, a mudança foi vista como um bote salva-vidas, mas o plano – visto por especialistas como insustentável – logo saiu pela culatra.

Rabih Haydar, cunhado de Ibrahim Urfali, caminha pela floresta ao redor de sua casa.

Reportagens da mídia local destacaram o contrabando ilegal de combustível para a Síria. Depois que os comerciantes compraram combustível no Líbano a preços subsidiados, eles teriam atravessado a fronteira para vender a preços de mercado global, levando a lucros significativos. À medida que a moeda local despencava, as margens de lucro cresciam. A lira perdeu mais de 90% de seu valor em dois anos, enquanto os mercados globais permaneceram praticamente inalterados.

“O Banco [Central] financiou essencialmente os lucros dos comerciantes”, disse Zouhair Berro, chefe da Associação de Proteção ao Consumidor, um grupo libanês de vigilância, à CNN. “Através do estoque, os traders esperavam o preço subir e depois o vendiam a um preço alto. Desta forma, muito pouco alcançou as pessoas.”

O Banco Central alega que alertou o governo libanês sobre o abuso de subsídios desde junho passado, mas suas alegações foram recebidas com ceticismo generalizado. O banco tem sido repetidamente acusado de ajudar a fuga de capitais do Líbano e ajudar a elite comercial a aumentar os lucros em face da queda livre financeira do país – acusações que os funcionários do banco rejeitam.

No auge da crise de combustível do Líbano em julho – quando as filas nas bombas de gasolina se estendiam por quilômetros e a falta de energia aumentou drasticamente – o Banco Central do país gastou cerca de US$ 800 milhões em importações de combustível, disse o presidente do Banco Central, Riad Salameh, à mídia local em agosto. Esse dinheiro normalmente sustentaria o Líbano por três meses, disse ele.

Incursões do exército em bombas de gasolina em agosto descobriram dezenas de milhões de litros de gasolina acumulada, de acordo com a mídia estatal e vários vídeos mostrando estoques de combustível.

Um vendedor ambulante vende combustível do mercado negro ao lado da estrada principal que liga Trípoli a Akkar em setembro.

Em junho, o Banco Central do Líbano parou de fornecer dólares aos bancos para estender linhas de crédito – uma parte essencial do mecanismo de subsídio – para importadores de fórmulas infantis e remédios, dizendo que não podia mais bancar o esgotamento de suas reservas e citando uma discrepância significativa entre sua fatura de importação inchada e escassez no mercado.

“A conta de medicamentos e suprimentos de saúde no primeiro semestre de 2021 supera toda a conta de 2020”, disse o banco em comunicado em julho.

O banco disse que foi faturado cerca de US$ 1,5 bilhão em medicamentos e fórmulas infantis apenas nos primeiros seis meses de 2021, em comparação com US$ 1,173 bilhão pago em todo o ano de 2020.

“Os números simplesmente não batem”, disse outro alto funcionário do Banco Central. “Descobrimos essas grandes figuras… enlouquecemos.”

Dados do Euromonitor International, um grupo estratégico de pesquisa de mercado, também mostraram um aumento nas importações de fórmulas infantis no primeiro semestre de 2021. O chefe do sindicato de importadores farmacêuticos do Líbano, Karim Gebara, também reconheceu um crescimento nas importações de medicamentos, embora acusou o banco central de tentar exagerar o crescimento das importações no setor de medicamentos.

“Acreditamos que a análise [do Banco Central] não está correta… os dados da ordem dos farmacêuticos dizem que não, há um crescimento de cerca de 10% entre este

//ano e o ano passado”, afirma. “Também pegamos dados de uma empresa internacional que faz análise de mercados. Dizem que o mercado cresceu 10%.”

A Associação Ibad Al Rahman em Beirute fornece vários serviços sociais e visa ajudar as pessoas que estão lutando para ter acesso a medicamentos.

Gebara diz que as importações de medicamentos pararam em maio, quando um processo de pré-aprovação para importadores de medicamentos foi interrompido pelo Banco Central. Em agosto, o Banco disse que retomou as pré-aprovações de medicamentos subsidiados. No entanto, quando a CNN entrevistou médicos em quatro grandes hospitais um mês depois, eles disseram que a crise da medicina não havia sido aliviada pela mudança.

Entrevistas da CNN com trabalhadores humanitários, farmacêuticos e novas mães também descobriram que, embora a escassez de fórmulas infantis e outros suprimentos essenciais tenha se intensificado neste verão, eles começaram vários meses antes de o Banco Central interromper efetivamente o programa de subsídios.

Questionado sobre por que o Banco Central parou de fornecer dólares para subsídios, um funcionário de alto nível do banco, que pediu para permanecer anônimo, disse à CNN que era “porque não podemos continuar … Não temos mais dinheiro. Está feito.”

Por dentro dos hospitais públicos do Líbano

No maior hospital público do Líbano, o Hospital Universitário Rafik Hariri, o clima é sombrio.

Pacientes com aparência desanimada e seus entes queridos estão sentados no chão do lado de fora da entrada principal. Não há papel higiênico em nenhum dos banheiros – uma enfermeira prestativamente oferece a alguém uma máscara médica.

Tanto a equipe médica quanto os pacientes, ao que parece, estão lutando não apenas contra a escassez de remédios e suprimentos essenciais, mas também contra uma sensação de destruição iminente.

Tharwat fica dentro da enfermaria de oncologia do Hospital Universitário Rafik Hariri em Beirute.
//

 

Tharwat está agachado no parapeito da janela da enfermaria de oncologia, olhando para longe. A mulher de 50 anos acaba de ser diagnosticada com amiloidose, uma doença cardíaca que requer tratamento com um medicamento quimioterápico que nem ela nem seus médicos conseguem encontrar.

“Não entendo”, diz Tharwat, que pediu para não ser totalmente identificado. “Não entendo como não consigo encontrar medicamentos.” Quando ela diz isso, sua irmã começa a chorar e sai correndo da sala.

“Sou alguém que ama a vida”, explica Tharwat, de olhos arregalados e emaciado. “Eu tinha um salão de beleza. Eu tinha clientes que eu amava. Por que isto está acontecendo comigo.”

“A pior parte do meu trabalho é quando tenho pacientes com câncer curável, mas que não posso tratar”, disse o chefe de oncologia do RHUH, Dr. Issam Shehadeh, à CNN, acrescentando que a maioria dos pacientes com câncer no Líbano agora não pode receber tratamento. .

No porão do hospital, o clima na farmácia é semelhante ao de um necrotério.

O chefe do departamento, Raida Bitar, abre armário após armário, geladeira após geladeira. Cada um está vazio, ou quase vazio: medicamentos quimioterápicos, medicamentos para aumentar a pressão arterial, medicamentos para tratar mulheres grávidas – todos ausentes.

O farmacêutico-chefe Raida Bitar mostra armários vazios no Hospital Universitário Rafik Hariri.

Bitar diz que alguns pacientes morreram porque o hospital ficou sem um medicamento barato e geralmente amplamente disponível, a noradrenalina. “Eles

//morreram porque não conseguimos aumentar a pressão arterial deles.”

Uma organização internacional de ajuda recentemente doou suprimentos de noradrenalina para o hospital, então a farmácia agora tem uma pequena quantidade em estoque.

Bitar diz que bebês recém-nascidos morreram por falta de sulfato de magnésio – também doado recentemente – que é dado a mães que sofrem de hipertensão.

“São medicamentos muito baratos”, diz ela. “O sulfato de magnésio custa 10 centavos por ampola.”

“Este não é apenas um problema financeiro”, acrescenta. “É um problema de escassez. Os fornecedores são gananciosos, o Banco Central não está administrando bem a crise, o governo anterior não administrava bem a crise. E os pacientes estão pagando o preço.”

Mesmo os pacientes de classe média alta não estão imunes aos efeitos da crise.

Carine Abou Saab, que luta contra o linfoma de Hodgkin, passou por um tratamento incompleto devido à falta de medicamentos de imunoterapia.

/
Carine Abou Saab está sentada na casa de sua irmã em Jounieh, nos arredores de Beirute. Ela está lutando contra o linfoma de Hodgkin.

Quando ela mesma tentou obter o medicamento perdido, o número de série do medicamento que ela conseguiu estava errado – sugerindo que era falsificado ou que havia sido exportado do Líbano para a Síria apenas para ser reimportado e vendido no preto libanês. mercado a um preço mais elevado.

Enquanto Abou Saab estava sendo tratado, sua filha de três anos, Maria, foi diagnosticada com leucemia. Abou Saab conseguiu a medicação de que Maria precisava, mas diz que, dada a crise em curso no Líbano, prefere que ela seja tratada em Portugal, onde Maria é cidadã.

“Nós nos sentimos presos aqui. Assim que a imunidade de Maria melhorar, vou tirá-la”, diz Abou Saab.

Para aliviar a escassez, organizações sem fins lucrativos e grupos comunitários intervieram. Um deles, a Associação Barbara Nassar de Apoio a Pacientes com Câncer, está ajudando pacientes com câncer a obter medicamentos por meio de suas redes internacionais.

Hani Nassar, que co-fundou a organização com sua esposa, Barbara, dias antes de ela morrer de câncer, diz que é impossível acompanhar a crescente demanda.

“Se os parentes dos pacientes soubessem o que está acontecendo nas enfermarias de câncer, eles cometeriam um massacre”, diz ele. “Médicos e enfermeiros estão tendo que escolher entre quem recebe tratamento e quem não recebe – basicamente quem pode viver.”

A Associação Barbara Nassar, que normalmente ajuda pacientes com câncer terapeuticamente, passou a ajudá-los a encontrar medicamentos que salvam vidas.

Perucas para pacientes com câncer estão em exibição nos escritórios da organização.

‘Nem sei dizer como me sinto’

A menos de um quilômetro da casa de Ammouneh Haydar em Tleil, fica uma vila abandonada, com o exterior enegrecido pela fumaça. A propriedade pertencia ao suposto contrabandista cujo combustível confiscado explodiu na explosão mortal do tanque de agosto de 2021.

Um grupo de vigilantes incendiou a casa em um ato de vingança – um dos vários atos isolados de retaliação em um país onde a desconfiança é profunda e onde o desespero é tão difundido, a maioria sente que não faz sentido tentar atribuir a culpa.

“Todo mundo nos explorou”, diz Haydar.

Relatando a litania de tragédias que aconteceram à sua família, é sua incapacidade de alimentar adequadamente seu filho de sete meses que traz lágrimas aos olhos

“Há uma grande diferença em como eu alimentava meus filhos mais velhos quando eram bebês”, diz Ammouneh. “Por causa do choque que aconteceu comigo, não posso amamentar. Eu preciso de fórmula infantil. Mas não existe fórmula infantil”.

“Eu não posso nem dizer como me sinto quando dou água e açúcar ao meu filho”, diz Haydar, sufocando as lágrimas. “É algo tão difícil.”

/Esta propriedade pertencia ao suposto contrabandista cujo combustível confiscado explodiu em agosto. Acredita-se que um grupo de vigilantes tenha incendiado a casa em um ato de vingança.

O que achou?

comentários

Anterior

Próxima

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This
NewsComo a ganância por lucros levou a escassez de leite e remédios no Líbano