Carnaval ‘só para rico- Cidades cancelam festas públicas e liberam as privadas

Para muitos dos foliões que gostam de curtir o Carnaval de rua, aproveitando de forma gratuita os blocos que levam multidões em diferentes de cidades do Brasil, o clima atual não é assim tão festivo.

Em centenas de municípios, a festa popular, aberta ao público, foi cancelada por oferecer riscos à saúde diante da pandemia de covid-19.

Em grandes capitais como Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte e São Paulo, no entanto, ainda é possível participar de festas, mas só pagando.

A depender do que o evento oferece, a entrada pode ser mais barata ou mais cara.

Os grandes desfiles de escola de samba também foram impactados pela pandemia. Em alguns lugares, as apresentações foram canceladas, e no Rio de Janeiro e São Paulo, locais que recebem milhares de pessoas na ocasião, foram adiados para abril.

Na opinião de Kaxitu Ricardo Campos, presidente da Federação Nacional das Escolas de Samba (Fenasamba), as restrições específicas causam segregação.

“O ‘povão’ é obrigado a ficar em casa, mas quem tem dinheiro pode ir para as festas que acontecerão em todo o Brasil”, diz Campos.

“Todo o segmento da cultura, que sofreu bastante na pandemia, pôde se reorganizar e está retomando as atividades aos poucos. Mas com as restrições atuais, as escolas de samba ainda têm muita dificuldade em vários aspectos, desde a organização de ensaios até a angariação de fundos com patrocinadores e a vendas de fantasias. Acredito que há um preconceito contra as atividades do Carnaval e das escolas de samba, que está ligado ao racismo estrutural.”

De acordo com Campos, a ideia de criar a federação surgiu por ele e outros memblros observarem o fortalecimento de movimentos políticos conservadores no começo da última década.

“Percebemos que algumas ideologias passaram a afetar os desfiles, seja por parte de alguma prefeitura retirando apoio financeiro ou por narrativas religiosas, que dizem que o Carnaval infringe os ensinamentos de Deus, refletindo um preconceito com religiões de matrizes africanas e com culturas diferentes. Agora, a narrativa é a covid, e temos medo que no ano que vem aconteça o mesmo.”

Com aglomeração, nenhuma festa é totalmente segura

A ômicron é a variante do coronavírus predominante no Brasil atualmente, e por sua alta capacidade de transmissão, o melhor é evitar qualquer aglomeração, dizem especialistas.

Foliões comemoram o Carnaval

CRÉDITO,DIVULGAÇÃO

Legenda da foto,Nenhuma aglomeração é livre de riscos da covid-19, apontam especialistas

“A doença é transmitida quando pessoas sem máscara ficam a menos de um metro de distância no período de dois dias antes até cinco dias depois do aparecimento dos sintomas”, diz a infectologista Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias, professora e pesquisadora da PUCPR.

“O que acontece nessas festas, sejam elas de rua ou privadas, é que para comer ou beber, as pessoas tiram as máscaras. Independentemente do protocolo estabelecido, nada dá garantia total de proteção.”

A pesquisadora lembra ainda que os testes de covid-19 podem apresentar falsos negativos.

Ela também alerta para o fato de que pessoas com comorbidades ou sem o esquema de vacinação completo estão mais vulneráveis a desenvolver casos graves da doença.

“Se acabar se infectando, talvez quem você tenha em casa esteja mais vulnerável tenha mais dificuldade para superar a doença. Ir a um evento de Carnaval com muitas pessoas, seja ele público ou privado, é assumir riscos.”

Se a maior transmissão do vírus acontece, isso também favorece o aparecimento de novas variantes.

“Quando alguém é infectado, o processo de replicação viral feito pelo Sars-Cov-2 para se espalhar pelo corpo está sujeito a pequenos erros. De ‘cópia em cópia’, esse pequenos erros vão se juntando até formarem um erro maior, e assim surgem as mutações que chamamos de variantes de preocupação, como a delta e a ômicron”, explica a médica.

São Paulo e Belo Horizonte explicam restrições

Em resposta à BBC News Brasil, a Prefeitura de São Paulo afirma que, com a previsão de atrair até 15 milhões de pessoas vindas de várias regiões do Brasil e também de outros países, o ambiente do Carnaval seria propício à propagação da ômicron.

“Permitir eventos com os blocos de rua seria uma irresponsabilidade. O maior intuito da proibição é conter o avanço da pandemia, o que se sobrepõe a qualquer outro. A saúde e a vida da população devam ser os principais objetivos da ação pública”, afirmou a prefeitura por meio da assessoria de imprensa.

De acordo com a resposta, três coletivos de blocos de rua responsáveis por mais de um terço dos desfiles inicialmente agendados, anunciaram o cancelamento antes mesmo da Prefeitura.

“Isso mostra que a percepção dessa necessidade era, não só da administração municipal, mas também da sociedade civil.”

Pessoas comemoram Carnaval de rua no Rio de Janeiro

CRÉDITO,RIOTUR

Legenda da foto,Carnaval de rua do Rio de Janeiro atrai multidões e está suspenso desde o inicio da pandemia

Sobre o desfile de escolas de samba, a assessoria respondeu que a organização demanda tempo, já que as apresentações atraem turistas e necessitam de alto investimento que dificultaria ainda mais a situação das agremiações, caso fosse necessário um adiamento de última hora.

“A decisão pelo adiamento, tomada em conjunto com a Prefeitura do Rio de Janeiro, foi anunciada em janeiro deste ano, após parecer das autoridades de saúde dos dois municípios, com os indicadores e projeções possíveis à época. Os desfiles deverão ser realizados no feriado de Tiradentes.”

As festas e eventos particulares, disse a Prefeitura da capital paulista, estão sujeitos às regras estabelecidas pelas autoridades de saúde, sendo que os organizadores devem exigir o comprovante de vacinação.

“Anteriormente, o passaporte era obrigatório apenas para eventos acima de 500 pessoas, mas foi ampliado para todas as festas e similares, independentemente do público presente, justamente pelo aumento de casos com a chegada da variante ômicron. Pelas regras vigentes, os organizadores devem limitar o público a 70% da capacidade do local. Também é obrigatório o uso de máscaras em todos os momentos em que as pessoas não estiverem se alimentando, além de disponibilizar álcool em gel e propiciar condições para a higienização do público.”

A Prefeitura de Belo Horizonte afirmou que decidiu não patrocinar o Carnaval, não realizar nenhum tipo de cadastro de blocos ou investimento em infraestrutura ou permitir desfiles de escolas de samba.

“A decisão segue as orientações da Nota Técnica do Comitê de Enfrentamento à covid-19, divulgada em novembro de 2021, que desaconselha que a administração incentive e que a população participe de eventos que possam implicar em grandes aglomerações públicas de pessoas, sem controle de entrada”, disse, por meio da assessoria de imprensa.

Ensaio da escola Mocidade com componentes usando máscaras

CRÉDITO,REUTERS

Legenda da foto,Ensaio da escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel, do Rio de Janeiro, durante a pandemia

No caso de eventos privados, a Prefeitura diz que o protocolo vigente da cidade exige que os organizadores cobrem do público e dos funcionários a apresentação do comprovante da segunda dose da vacina contra a covid-19 ou do resultado negativo em teste da doença para a entrada nos espaços.

“Os testes devem ser do tipo RT-PCR, realizado até 48 horas antes do evento ou da atividade, ou teste pápido de antígeno, realizado 24 horas antes do evento ou da atividade. A regra é válida para eventos (casamentos, festas, partidas de futebol em estádios, corridas de rua e similares) com qualquer quantidade de público.”

O que achou?

comentários

Anterior

Próxima

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Share This
NewsCarnaval ‘só para rico- Cidades cancelam festas públicas e liberam as privadas