Em suas primeiras declarações públicas no Canadá, o Papa Francisco pediu perdão aos sobreviventes de escolas residenciais indígenas.

“Lamento profundamente”, disse o papa no terreno de uma antiga escola residencial em Maskwacis, perto de Edmonton.

Ele disse que seu pedido de desculpas é um primeiro passo e que uma “investigação séria” sobre os abusos deve ocorrer para promover a cura.

O pontífice está no Canadá para pedir desculpas pelo papel da Igreja nas escolas destinadas a assimilar crianças indígenas.

As escolas financiadas pelo governo faziam parte de uma política destinada a destruir as culturas e línguas indígenas.

O pedido de desculpas papal foi recebido com aplausos dos sobreviventes na platéia, alguns dos quais viajaram longe para ouvir o Papa falar.

O Papa Francisco expressou “tristeza, indignação e vergonha” pelas ações de muitos membros da Igreja Católica Romana, que administravam e administravam a maioria das escolas residenciais no Canadá.

O papa de 85 anos chamou o sistema escolar de “erro desastroso” e pediu perdão “pelo mal cometido por tantos cristãos” contra os povos indígenas

Bruce Allan, um sobrevivente de uma das escolas residenciais que estava presente, disse que foi emocionante ouvir o pedido de desculpas do Papa, mas muitos ainda estão esperando uma ação do pontífice.

“Acho que provavelmente muitos sobreviventes ainda estão bastante zangados”, disse Allan à BBC.

O papa disse que viajou para o Canadá com um pequeno par de mocassins que uma delegação indígena no Vaticano lhe deu no início do ano.

Os mocassins, que o Papa foi convidado a devolver, servem de símbolo para as crianças que frequentaram as escolas residenciais e nunca voltaram para casa.

Ele disse que os mocassins também “falam-nos de um caminho a seguir”, – o da justiça, da cura e da reconciliação.

Suas observações foram ouvidas por chefes indígenas que se reuniram no Parque Muskwa ao lado de sobreviventes de escolas residenciais das Primeiras Nações, Métis e Inuit.

Também estiveram presentes o primeiro-ministro Justin Trudeau e a governadora-geral Mary Simon, a primeira indígena a ocupar esse cargo.

Antes de seus comentários, o papa se reuniu em particular com líderes na igreja local e liderou uma oração silenciosa no Cemitério Ermineskin Cree Nation, onde há túmulos marcados – e provavelmente não marcados – de estudantes de escolas residenciais.

Após seu pedido de desculpas, o Papa usava um cocar tradicional presenteado a ele por um líder indígena enquanto uma canção de honra Cree era cantada ao fundo.

O antigo local da Escola Residencial Ermineskin, uma das maiores do Canadá, é a primeira parada do papa em sua viagem – uma que o pontífice chamou de “uma peregrinação de penitência”.

O Vaticano às vezes parece achar difícil pedir desculpas pela injustiça histórica. Há aqueles que ainda esperam um pedido de desculpas completo pelas falhas do Papa Pio XII e da Igreja Católica durante os horrores perpetrados no Holocausto, por exemplo.

Mas quando se trata de pedir desculpas pela forma como as escolas católicas retiraram a cultura das crianças indígenas que foram arrancadas de suas casas ao longo de gerações, a linguagem do Papa foi inequívoca.

Durante o discurso, enquanto o Papa usou a palavra “desculpe” várias vezes e disse que implorou por perdão, alguns sobreviventes presentes mostraram sinais emocionais de alívio, caindo em lágrimas ou abraços.

A promessa do Papa Francisco de obrigar os católicos a apoiar os povos indígenas do Canadá pode ter parecido um passo na direção certa para aqueles que dizem que compensação e investimento – de maneiras que beneficiariam os povos nativos – realmente ajudarão a fazer as pazes.

Sua promessa de investigar completamente o que aconteceu ficou aquém do que alguns pediram – garantias de que aqueles que perpetraram o abuso seriam responsabilizados.

Mas houve o reconhecimento de muitos ouvintes de que o Papa tinha ido de alguma forma para tentar entender o trauma que a Igreja causou e o impacto que teve hoje.

linha cinza de apresentação de 2px

Muitos pediram ao Papa que se desculpe pelo papel que a Igreja Católica Romana desempenhou na operação de até 70% das escolas residenciais no Canadá.

As escolas funcionaram a partir da década de 1870, sendo que a última foi fechada em 1996. Nesse período, cerca de 150.000 crianças das Primeiras Nações, Métis e Inuit foram retiradas de suas casas e colocadas nessas escolas.

Em um relatório histórico de 2015 da Comissão de Verdade e Reconciliação do Canadá, os sobreviventes falaram publicamente sobre estarem sujeitos a abuso, doença e desnutrição em escolas residenciais.

Acredita-se que mais de 3.000 estudantes morreram nas escolas. O relatório da TRC chamou o sistema de escolas residenciais de um elemento central do “genocídio cultural” contra os povos indígenas do Canadá.

Papa Francisco fala ao lado de chefes indígenas em Alberta.
O Papa Francisco faz um discurso ao se reunir com as comunidades indígenas das Primeiras Nações, Metis e Inuit em Maskwacis, Alberta, Canadá.

As declarações do papa na segunda-feira vêm logo após um pedido de desculpas histórico feito em abril a uma delegação indígena no Vaticano, dizendo que as escolas residenciais lhe causaram “dor e vergonha”.

O Papa volta a Edmonton à tarde, onde visitará a Igreja do Sagrado Coração dos Primeiros Povos, a primeira paróquia nacional dos povos indígenas do Canadá.

Ele está programado para fazer outros comentários públicos ao longo de sua viagem.

O que achou?

comentários

Share This