Tomohiro Kato: Japão executa assassino em massa de Akihabara, dizem relatórios

O Japão executou um homem de 39 anos que matou sete pessoas em Tóquio em 2008 durante um ataque com faca, informaram meios de comunicação locais.

Tomohiro Kato cometeu um dos assassinatos em massa mais chocantes da história recente do país.

Ele tinha 25 anos quando dirigiu um caminhão contra uma multidão de pedestres na hora do almoço no distrito comercial de Akihabara, matando três pessoas.

Ele esfaqueou transeuntes com uma adaga, matando quatro e ferindo oito.

Ele foi detido pela polícia no local e mais tarde admitiu seus crimes em seu julgamento, dizendo que ficou irritado com o bullying online.

Seu crime provocou muito debate na sociedade japonesa na época sobre assassinatos aleatórios, influência online e falhas no apoio à saúde mental para jovens.

Na terça-feira, a mídia japonesa informou que Kato, agora com 39 anos, havia sido enforcado no Centro de Detenção de Tóquio.

É a primeira execução do país este ano. Ele enforcou três pessoas em dezembro passado e mais de 100 prisioneiros permanecem no corredor da morte.

Pessoas atendem vítimas feridas deitadas na estrada após serem esfaqueadas no ataque no distrito de lojas de eletrônicos Akihabara, em Tóquio, em 8 de junho de 2008FONTE DA IMAGEM,STR/AFP VIA GETTY IMAGES
Legenda da imagem,

O ataque ocorreu durante um fim de semana movimentado de compras no centro de Tóquio

As leis sobre posse de facas também foram reforçadas após a matança de Kato.

O Tribunal Distrital de Tóquio o condenou à morte em 2011, dizendo que seu crime brutal não indicou “um pingo de humanidade”.

Ele perdeu um recurso em 2015 para comutar sua sentença de morte.

 

O Japão continua sendo um dos poucos países desenvolvidos que ainda usa a pena capital em meio a críticas mais amplas de grupos internacionais e locais de direitos humanos.

O que achou?

comentários

Anterior

Próxima

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Share This
NewsTomohiro Kato: Japão executa assassino em massa de Akihabara, dizem relatórios