Começa a ‘dolorosa’ divisão de $1 bilhão no acordo de Surfside

O juiz do Tribunal do Circuito de Miami-Dade, Michael Hanzman, responsável pela indenização aos parentes das vítimas e sobreviventes do colapso do condomínio Surfside (Foto: Tribunal do Circuito de Mami-Dade)

DA REDAÇÃO – Com o marco de um acordo de $1 bilhão atrás deles, parentes das 98 pessoas que morreram no colapso do condomínio Surfside iniciaram audiências privadas esta semana com um juiz de Miami-Dade que calculará o valor monetário de cada vítima – um processo parcialmente guiado por medidas atuariais, equações, mas também repleta de emoções dolorosas.

Enquanto parentes e seus advogados podem argumentar com o juiz Michael Hanzman que todas as vítimas tiveram o mesmo destino trágico – não muito diferente dos passageiros em um acidente de avião – a lei da Flórida determina que eles não receberão partes iguais do acordo histórico.

Inevitavelmente, alguns receberão muito mais do que outros. E sob a lei estadual, alguns parentes em luto, como irmãos e irmãs, podem receber alguns danos, enquanto outros podem ter direito a pouco ou nada por causa de quem é considerado o primeiro na fila para se qualificar para os pagamentos.

“Além das consequências imediatas, quando todos esperávamos em agonia, esta fase será a parte mais dolorosa e comovente de toda a provação”, disse Pablo Rodriguez, advogado de Miami cuja mãe e avó morreram no colapso.

A tarefa do juiz de dividir o enorme acordo de ação coletiva, alcançado no mês passado com uma série de réus, é assustadora. Uma parte do cálculo é baseada na idade da vítima, ocupação e ganhos esperados ao longo da vida. Mas ele também considerará o fator intangível de dor e sofrimento contínuos sofridos por parentes de vários cônjuges, filhos, pais, avós, irmãs e irmãos que morreram quando o edifício Champlain Towers South, à beira-mar, desabou em junho do ano passado.

Esses intangíveis são abundantes. As vítimas têm idades entre 1 e 92 anos. Elas incluem advogados, médicos, contadores, engenheiros, atores, estudantes universitários, aposentados, músico, comissário de bordo, instrutor de Pilates e um rabino.

Havia as irmãs Guara, Lúcia, de 10 anos, e Emma, ​​de 4, que morreram com os pais e cujas carreiras e rendimentos futuros só podem ser imaginados — Lúcia aspirava ser astronauta e Emma queria ser princesa. Havia Elena Chavez, 88, que ainda trabalhava como agente de viagens. Theresa Vasquez, 36, que morreu com seus pais, era uma executiva da LiveNation e ex-DJ de Miami Beach. Nicole Langesfeld, 26, que morreu com o marido, era uma jovem advogada que impressionou Hanzman durante uma audiência.

Hanzman, auxiliado por um contador e um juiz aposentado especializado em casos de lesão corporal e morte por negligência, deve concluir sua revisão de dezenas de reivindicações de danos até o final de agosto. Eles consultarão declarações fiscais, registros de pensões, tabelas atuariais e dados de renda do Bureau of Labor Statistics e do U.S. Census Bureau.

Os resultados não serão divulgados, ao contrário do acordo aprovado pelo juiz. Espera-se que ele distribua todo o dinheiro do acordo – menos $100 milhões que dezenas de advogados dos queixosos solicitaram por seu trabalho por hora no caso de negligência de ação coletiva, que resultou em um dos maiores acordos da história da Flórida.

O que achou?

comentários

Anterior

Próxima

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Share This
NewsComeça a ‘dolorosa’ divisão de $1 bilhão no acordo de Surfside